As vivências são realizadas em parceria com os caciques, lideranças, associações e membros das comunidades das aldeias visitadas no sul da Bahia, na Costa do Descobrimento, um dos lugares do mundo para ser visitado pelo menos uma vez na vida, principalmente por pessoas que gostam de natureza e de lugares emblemáticos que deram início a uma civilização.

Você conhecerá de perto o povo Pataxó, etnia que faz parte da nossa herança cultural e que ainda mantém alguns costumes milenares, expressados no modo natural de viver, nos valores humanos e no respeito à Mãe Terra.

As vivências são marcadas por momentos únicos, compartilhados nas rodas de conversa com o Pajé, lideranças e comunidade, onde aprende-se muito sobre a cultura desse povo guerreiro, na interação durante a caminhada interpretativa na mata, nos revigorantes banhos de rio, no esporte tradicional com competições entre índios e visitantes (cabo de guerra, arremesso de arco e flecha, etc…), na pintura facial, na participação dos afazeres da aldeia, na coleta de sementes para as oficinas de artesanato, na degustação do peixe preparado na folha da patioba, iguaria de destaque da culinária pataxó, na escuta à noite das lendas e histórias em volta da fogueira e depois dormir na rede armada dentro do kijeme (oca Pataxó) ouvindo os sons da floresta e no Awê, ritual de confraternização e agradecimento conduzido por homens e mulheres que cantam em pathxohã (língua tradicional) e dançam pedindo permissão e proteção aos antepassados e, em seguida, convidam os visitantes para todos juntos, índios e não índios dançarem em círculo ou em fila, celebrando o amor, a união e a espiritualidade. O ritual marcado pela força das expressões e movimentos corporais, desperta sentimentos de respeito ao próximo, a natureza e ao sagrado, transmitindo paz, alegria, energia, compreensão e força.

Disponibilizamos cinco vivências na Aldeia Reserva da Jaqueira com diferentes atividades e tempos de duração e a Rota das Aldeias Pataxó que dura 5 dias e visita 4 aldeias localizadas em Porto Seguro, Trancoso e Caraíva. As reservas são agendadas com antecedência.

Essa é uma outra visão de turismo.

Taputá, Tometô (Seja bem vindo/a)!"


Vivências na Reserva da Jaqueira

Escolha a sua vivência conforme o que você busca e o seu tempo disponível e “conheça a beleza da cultura indígena, respire fundo e tranquilize a sua alma, você poderá ver além do horizonte”.

Saiba mais

Rota das Aldeias Pataxó

“Imersão de 05 dias para vivenciar, revisitar e reaprender antigos conhecimentos, que nos timbraram e pintaram morena e definitivamente - como brasileiros – o corpo, a alma e o espírito”.

Saiba mais

Curiosidades da Etnia Pataxó

Língua Pataxó

A etnia Pataxó tem como língua o Patxôhã, cujo significado é linguagem do guerreiro. Pertence ao tronco linguístico Macro-Jê que é da mesma família dos Maxacali.

A língua é considerada uma forma de interação entre os homens, a natureza e os espíritos.

Festas e Celebrações – Ritual

O Heruê, mais conhecido como Awê, é um ritual em grupo sempre acompanhado do maracá, dança circular ou em filas e pelo canto na língua dos antepassados. Significa amor, união e espiritualidade. O ritual marcado pela força das expressões e movimentos corporais, desperta sentimentos de respeito ao próximo, a natureza e ao sagrado e transmite paz, alegria, energia, compreensão e força.

Música, canto e dança

“A dança e o canto pataxó buscam a harmonia do canto dos pássaros, o barulho das águas, o movimento das nuvens, o silêncio das pedras, o ruído dos ventos, o calor do sol e a pureza da lua… é assim que celebramos e revivemos com nossos antepassados tudo aquilo que somos. Buscamos neles a força para continuar lutando e enfrentando os desafios de nossas vidas.”
(Trecho do livro Raízes e Vivências do Povo Pataxó nas Escolas)

Artes e formas de expressão

As danças, as pinturas corporais e as belas narrativas das histórias e lendas em volta da fogueira são características de sociedades de tradição oral, aproxima gerações e garante a transmissão das experiências vivenciadas.

Pinturas corporais

Tem grande valor cultural, pois o índio pataxó usa a pintura do seu corpo como se fosse a sua cédula de identidade. Existe um padrão de significação e simbologia diferente para homens e mulheres solteiros e casados que deve ser seguido. Representa o estado de espírito diário de cada indivíduo, os bens e o sagrado.

Na cultura pataxó são usadas as cores vermelha, preta, branca e amarelo ocre, todas retiradas da natureza, urucum, jenipapo, carvão e argila.

Saberes e fazeres

Todas as atividades que desenvolvem desde as canoas esculpidas ainda de modo rudimentar, a pesca, a confecção das armas, os adornos, as artes, o conhecimento das ervas medicinais, as parteiras e benzedeiras mostram a grande afinidade que os pataxó tem com a natureza.

Culinária tradicional

A iguaria de destaque é sem dúvida o peixe assado na folha da patioba, palmeira que garante um cheiro e um sabor todo especial. As carnes moqueadas, assadas, os churrascos de caranguejo e ouriço são também muito apreciadas. Os complementos ficam sempre por conta da farinha de puba, mandioca, bolos, beijus e goles de chás.

Nas festas e ocasiões especiais a bebida sempre usada é a jaroba, feita de mandioca fermentada e mais conhecida como cauim.


Conheça Porto Seguro com quem ama essa terra

Conteúdo protegido por Direitos Autorais.
WhatsApp Olá, tire suas dúvidas por aqui!